Quando todos convergem numa mesma direção o caminho a ser percorrido se torna mais fácil. Assim foi em 2007 no início do Programa Córrego Limpo, quando já havíamos despoluído alguns córregos.

O Governo do estado tinha um propósito alinhado com o Prefeito da cidade de despoluir córregos, a Companhia de Saneamento estatal tinha o dever de executar as ordens do governador, eu tinha uma tese desenvolvida na Faculdade de Saúde Pública / USP de que era possível despoluir e tinha a meu favor como resultado três casos de sucesso.

Tudo no lugar certo, hora certa e muita vontade de trabalhar transformaram o impossível da despoluição numa deliciosa brincadeira de despoluir córregos em São Paulo.
O desejo de ver a água limpa escoando pelos córregos era tão intenso quanto a paixão e trabalhar deixou de ser um fardo e passou a ser prazer.

A MAGIA DOS CÓRREGOS ENTERRADOS

O primeiro córrego foi um aprendizado, pois em tese todos os córregos e afluentes estavam a céu aberto, mas na realidade de campo descobri que todos estavam cobertos, não estavam mapeados ou cadastrados e ninguém imaginava onde estavam, e descobri, que como os córregos eu estava perdido.

Eu tinha assumido o compromisso que iria despoluir o córrego em 6 meses, com ameaça de perder o emprego caso não acontecesse a despoluição. Perdido e sem dormir durante três dias, numa manhã entre um cochilo e outro descobri, como saber, onde estavam todos os córregos cobertos de São Paulo.

Essa descoberta iria mudar completamente a visão de despoluição e tornou os trabalhos infinitamente mais fácil de diagnosticar os impactos nas redes pluviais, três meses depois o córrego estava despoluído, sucesso…

No vídeo vocês irão sentir e perceber que a preocupação inicial, em despoluição, sempre existirá, mas também perceberão que quando os interesses pessoais são colocados de lado e todos caminham na mesma direção é mais fácil de conseguir o objetivo desejado.